5 min

Impressão 3D: A tecnologia de construção do futuro

Publicado em 30.04.2024
Impressão 3D: A tecnologia de construção do futuro
A Saint-Gobain é uma empresa conhecida por desenvolver produtos inovadores e apostar nas últimas tecnologias, quando se trata de evoluir nas suas áreas de especialidade.

Em Portugal, não é diferente. A aposta na construção de casas por via da impressão 3D já teve início, mas ainda não está industrializada. Todavia, esse é o caminho a seguir. O diretor de I&D da Saint-Gobain Portugal, Bruno Lobo, explica as vantagens de se optar por este tipo de construção e o impacto que a mesma pode vir a ter no mercado da construção e do imobiliário nacional.    

  • A construção de casas através da impressão 3D é recente no mercado português e começa a ser encarada como uma solução para a escassez de habitação no país. Que características definem uma habitação com este método construtivo? 

Uma construção em impressão 3D com recurso a argamassas industrializadas define-se como sendo uma habitação de rápida execução, sem perda de qualidade e com uma pegada ambiental mais reduzida, não comprometendo o conforto higrotérmico dos seus utilizadores. 

  • Quais as principais vantagens de apostar numa casa impressa em 3D?  

As principais vantagens prendem-se com a maior liberdade de design, sem custos acrescidos; uma maior rapidez de execução; a garantia de controlo de qualidade assegurado quando usadas argamassas industriais; uma menor pegada ambiental comparativamente à construção tradicional e ainda o facto de ser um solução que responde à escassez de mão de obra qualificada. 

  • A Saint-Gobain Weber no Benelux, já teve oportunidade de construir algumas habitações com esta nova forma de construção. Em Portugal, é uma aposta que o grupo Saint-Gobain também espera fazer?

A impressão 3D em Portugal é um tecnologia que tem vindo a ser explorada pela empresa nos últimos anos, com particular apoio à investigação em ambiente académico no país. Recentemente, a empresa participou na impressão de uma casa modelo com um parceiro nacional, recorrendo à mais recente tecnologia desenvolvida pela empresa, estando assim no bom caminho para a industrialização da tecnologia no nosso país. 

  • Além da vantagem temporal - o tempo de construção é mais curto - esta construção é tida como tendo uma pegada ambiental menor. A que se deve isso?

A menor pegada ambiental deve-se a vários fatores, entre os quais se destacam os seguintes: 

Uso mais racional do material. Apenas é depositada a quantidade de material necessária no local específico, por exemplo, uma parede pode ter espessuras variáveis conforme as solicitações mecânicas a que esteja sujeita, não afetando a produtividade da construção; 

Ausência do uso de cofragens. Parte das cofragens usadas na construção não são recuperáveis e, mesmo que sejam, têm uma duração limitada, não devendo esta pegada ecológica ser descurada; 

Menos transportes. O facto de ser necessária menos mão-de-obra e durante menos tempo faz com que a pegada ecológica associada ao transporte de pessoas seja reduzida. Ao mesmo tempo, sendo o uso de diferentes materiais, implica também menos pequenos transportes para obra, sendo este fator também relevante.

  • Estas casas necessitam de cuidados específicos e permanentes ou são tratáveis exatamente como qualquer outra construção?

Consoante o tipo de material associado à impressão 3D para construção, este definirá se serão necessários mais ou menos cuidados. Usando a abordagem e tecnologia Saint-Gobain, os cuidados a ter não são superiores aos de uma construção tradicional comum. Isto é possível pela adoção de materiais amplamente conhecidos e estudados, apenas aplicados com recurso a um tecnologia diferente. 

  • A Weber, marca da Saint-Gobain, desenvolveu uma argamassa própria para a aplicação em casas impressas em 3D. Que argamassa é essa e como se diferencia das restantes? 

As argamassas da Saint-Gobain distinguem-se pela sua qualidade assegurada. Mais importante do que apenas a argamassa, é todo o processo a que a mesma diz respeito, ou seja, todo o processo desde a mistura do pó em ambiente industrial até à disposição final. A Saint-Gobain desenvolveu um sistema autorregulável que permite um controlo de qualidade de todo o material usado, e não apenas por amostragem, que assegura uma qualidade constante. 

  • É possível reduzir o nível de poluição ambiental deste tipo de componentes da construção, como são as argamassas e outros produtos, mantendo a sua performance ao mais alto nível? 

Sim, esta é uma preocupação transversal da Saint-Gobain a todos os produtos que comercializa, não sendo a tecnologia de impressão 3D uma exceção. A empresa tem como objetivo atingir a neutralidade carbónica em 2050, sendo que tem vindo a trabalhar neste tema ao longo de vários anos, esta é uma preocupação tida desde sempre com os produtos associados a esta tecnologia. 

  • A nível económico, esta é uma solução que pode ajudar a resolver problemas quer a nível da falta de edifícios residenciais, quer a nível do preço a pagar pela compra de habitação própria?

Sim, como em qualquer indústria a massificação do emprego da tecnologia e o aumento de volumes associados irá permitir tornar a tecnologia cada vez mais económica, fazendo com que o resultado seja um decréscimo natural no preço por metro quadrado a pagar por uma habitação. No final teremos habitações disponíveis mais rapidamente e a um preço muito mais reduzido face ao panorama atual.

 

Bruno Lobo, Diretor de I&D na Saint-Gobain Portugal in Valor Magazine.